8
SUSTENTABILIDADE

CONTEÚDOS COMPLEMENTARES

A JBS também está atenta a outros temas relacionados à sustentabilidade, como energia e resíduos sólidos. Também desenvolve ações voltadas a estreitar seu relacionamento com públicos de interesse. Embora não sejam assuntos classificados como materiais pela “Matriz de Materialidade” (ver link), são questões igualmente importantes e que permeiam as operações e tomada de decisões da Companhia.


Relacionamento com Públicos de Interesse (Stakeholders) GRI G4-DMA

As relações mantidas pela JBS com seus públicos de relacionamento são importantes para a sustentabilidade dos negócios. Criar relações de confiança com os diferentes perfis de públicos com que interage em seu dia a dia é um princípio que pauta as suas atividades. Ciente de seu papel social nos locais em que está presente, a JBS tem se empenhado em contribuir para o desenvolvimento socioeconômico e ambiental, além de se colocar aberta ao diálogo, sempre com respeito à cultura local.

Compromissos Institucionais
GRI G4-15, G4-16

A JBS participa de diversos e importantes fóruns globais e locais discutindo, em conjunto com a sociedade civil organizada e outros elos da cadeia de valor, temas relacionados a sustentabilidade. A empresa exerce papel de protagonismo em várias das ações promovidas por esses organismos. Alguns exemplos:

The Global Roundtable for Sustainable Beef (GRSB) – Iniciativa global e multi-stakeholder desenvolvida para avançar na melhoria contínua da sustentabilidade da cadeia de valor global de carne bovina por meio de liderança, ciência, engajamento e colaboração. Trabalha para que todos os aspectos da cadeia de valor da carne sejam ambientalmente saudáveis, socialmente responsáveis e economicamente viáveis. A JBS é membro fundadora da GRSB e atua no Conselho de Administração e na Comissão Executiva.

Leather Working Group (LWG) – Voltada à indústria do couro, a LWG é formada por marcas internacionais, curtumes, fornecedores e varejistas, e tem como objetivo promover práticas de gestão ambiental sustentável e adequada a tal indústria. A JBS Couros é membro do Comitê Executivo e tem 16 de suas instalações certificadas pela iniciativa.

British Poultry Council (BPC) – é a voz da indústria de aves, sendo o link entre suas companhias membro e governos, órgãos de regulação e outros stakeholders. A colaboração do BPC com cientistas de vanguarda, nos campos da saúde e bem-estar das aves, garante a segurança dos alimentos e impulsiona melhores práticas em toda a indústria avícola. A Moy Park é um participante ativo nos comitês do BPC, fazendo parte, inclusive, do Conselho de Administração.

Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável (GTPS) – formado por representantes de diferentes segmentos que integram a cadeia de valor da pecuária bovina no Brasil. Tem como objetivo promover o desenvolvimento de uma pecuária sustentável, socialmente justa, ambientalmente correta e economicamente viável. A JBS faz parte do Conselho Diretor e integra os comitês de “Desenvolvimento do Guia de Pecuária Sustentável” e “Incentivos Econômicos e Financeiros”.

U.S. Roundtable for Sustainable Beef (USRSB) – Iniciativa que reúne diversas partes interessadas que tem como intuito a melhoria contínua da sustentabilidade da cadeia de valor da carne nos Estados Unidos. Promovendo o engajamento desses públicos, atua no sentido de apoiar e comunicar avanços nessa questão. A JBS USA é um dos membros fundadores e atua no Conselho de Administração.

The Canadian Roundtable for Sustainable Beef (CRSB) – Iniciativa multi -stakeholder desenvolvida para avançar nos esforços de sustentabilidade dentro da indústria de carne no Canadá. Trata-se de um fórum nacional dedicado a conectar uma rede de líderes locais, regionais e nacionais do setor. A JBS USA é um dos membros fundadores e atua no Conselho de Administração.

Field to Market – Busca criar oportunidades em toda a cadeia de suprimentos agrícolas nos Estados Unidos para melhorias contínuas na produtividade, qualidade ambiental e bem-estar humano. Promove o diálogo de toda a indústria, fundamentado na ciência e aberto a opções de tecnologia. A JBS USA é um dos membros dessa iniciativa.

‘Livestock Technical Committee’ do Global GAP – grupo internacional reconhecido e responsável por discutir e definir tendências, requisitos e parâmetros de bem-estar animal mundialmente. A JBS Foods é membro desse comitê técnico.

Instituto Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo (InPACTO) – iniciativa que visa fortalecer as ações contra o trabalho escravo no Brasil. A JBS é signatária, desde 2007, do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo no Brasil e é membro do Instituto desde 2014.


a. Clientes e consumidores

A JBS busca estabelecer canais de diálogos com seus clientes e fornecedores, construindo relações fortes e transparentes capazes de antecipar as tendências de mercado, melhorar a qualidade de seus produtos e processos e atender aos desejos do consumidor.


Confiança do início ao fim GRI FP8

A preocupação constante da JBS com seus consumidores levou a campanha da marca Friboi, da JBS Carnes (Brasil), a um patamar inédito na televisão brasileira. Todas as etapas da cadeia produtiva, desde a origem responsável da matéria-prima, passando pelos rigorosos processos de higiene das operações e instalações, estocagem e transporte, até o momento da escolha do consumidor, foram demonstradas com transparência por meio de ações de marketing e publicidade.

Desde o lançamento da nova campanha, em novembro de 2015, por meio de emissoras de TV, mídia impressa (revista e jornal), redes sociais e site, estima-se que o público atingido seja de cerca de 130 milhões de pessoas. A estratégia da ação incluiu, ainda, a reformulação do portal da Friboi (ver link). Lançado na mesma data, e também com detalhes de cada uma das etapas da cadeia produtiva, o website superou a marca de um milhão de acessos nos dois primeiros meses. Um dos destaques da campanha foi mostrar ao consumidor como a empresa se posiciona frente a temas como bem-estar animal e critérios de sustentabilidade, como cadeias de fornecimento livres de desmatamento e de trabalho escravo.

A JBS também fez uma pesquisa para conhecer a interpretação do consumidor frente à mensagem “confiança do início ao fim”, tema central da campanha. O resultado demonstrou que 35% dos entrevistados fazem associação a “rigoroso controle no processo produtivo”, fato que ocorre diariamente na cadeia produtiva da Friboi. Antes da ação de marketing, o número verificado era 21%. GRI G4-PR5

As atuais campanhas da Friboi também vêm buscando educar o consumidor sobre o correto uso dos produtos (cortes), desmitificando questões relacionadas à carne bovina.


QR Code nos produtos
Os clientes e consumidores de carne bovina da marca Friboi (JBS Carnes Brasil) podem saber o nome e a localidade das fazendas que produzem a matéria-prima dos produtos in natura. A informação pode ser acessada por meio de smartphones ou pela internet, de forma bastante simples:

  • Pelo smartphone, basta fazer a leitura do QR Code presente nas embalagens das marcas de carne da JBS.
  • Pelo site www.confiancadesdeaorigemjbs.com.br, é só informar a data de produção e o número do SIF (Serviço de Inspeção Federal)

Essa iniciativa faz parte do programa Confiança desde a Origem, criado especialmente para possibilitar que os clientes conheçam, de forma rápida, simples e transparente, a procedência das carnes bovinas que consomem.

A Pilgrim’s Pride Corporation (JBS USA Frangos) também oferece solução semelhante. Todos os produtos são acompanhados de um código que permite rastrear a origem. Esse mecanismo, denominado FreshTrace™, está em conformidade com os requisitos da Food and Drug Administration (FDA). Para saber a procedência do produto, basta digitar o código em uma página da internet destinada para esse fim. Conheça, clicando aqui.


SAC 2.0
Todas as unidades de negócios da JBS contam com canais de comunicação com clientes e consumidores.

Nas operações do Brasil, as redes sociais se estabeleceram como um canal de relacionamento efetivo entre empresas / marcas e clientes. Para aproveitar as oportunidades que esses canais oferecem, a JBS Carnes lançou, em 2015, o SAC 2.0. Trata-se de um sistema inovador de interação com os consumidores, pois permite à Companhia oferecer uma resposta ágil, de acordo com o perfil do público que faz o contato. Esta ferramenta de conversação, disponível no http://www.friboi.com.br/contato/, foi integrada ao SAC tradicional e é fruto de uma parceria entre o Marketing Digital da JBS Carnes e a área de Qualidade. A Empresa também disponibiliza uma linha 0800 para atendimento (0800 11 5057).

Em 2015, foram registrados no SAC três questionamentos por e-mail sobre questões ambientais: dois deles para conhecer os projetos de responsabilidade ambiental da empresa e um para perguntar sobre as certificações que a JBS possui. Todas as dúvidas foram sanadas pela Companhia. GRI G4-EN34

A JBS Foods também conta com um sistema de SAC e recebe mais de 3 mil contatos por mês nos canais 0800 (0800 47 2425), e-mail e rede social. O SAC, disponível também em http://www.seara.com.br/fale-conosco/, faz todos os registros e mantém os históricos para fornecer o máximo de informações e contribuir nas decisões estratégicas da Companhia e em melhorias.



b. Comunidade

As atividades da JBS se dão em setores de alta demanda de mão de obra, o que faz com que a Companhia desempenhe uma função importante nas comunidades em que está inserida por meio da geração de empregos, contribuindo ao desenvolvimento econômico das localidades.

Adicionalmente a esse papel social e econômico intrínseco à sua atuação, a Companhia se propõe a apoiar iniciativas voltadas à educação de crianças e jovens e para capacitação e inclusão social de portadores de necessidades especiais.


Instituto Germinare
A JBS é a principal mantenedora do Instituto Germinare, localizado em São Paulo/SP (Brasil) e criado em 2009 pela J&F Investimentos, principal acionista da Companhia. O Instituto oferece educação gratuita em tempo integral.

Com o propósito de formar líderes do futuro, complementa o currículo tradicional com temas e atividades voltadas a estimular o espírito empreendedor e a formação de gestores de negócios. Tal metodologia é aprovada pelo Ministério da Educação.

Em 2015, ano em que o Instituto contou com 530 alunos matriculados - adolescentes e jovens entre 12 e 18 anos, aproximadamente, ocorreu a formatura da primeira turma do nível “Ensino Médio”, composta por 72 alunos. Conheça o Instituto Germinare (clique aqui).

Alunos do Instituto Germinare
Instituto Germinare

Educação gratuita, em período integral

Ensino diferenciado, voltado a disseminar a cultura do Empreendedorismo

530 alunos entre 12 e 18 anos

Chefs Especiais
A JBS é uma das patrocinadoras do projeto Chefs Especiais, iniciativa desenvolvida no Brasil que busca promover a inclusão social de jovens com Síndrome de Down por meio da gastronomia. Ao promover oficinas gratuitas com chefs de cozinha renomados, que ensinam como utilizar os ingredientes e executar uma receita, o projeto busca contribuir para que os participantes conquistem autonomia, ganhem confiança e desenvolvam autoestima e coordenação motora.

Essa atividade conta com a parceria da marca Friboi desde 2013, que participa com apoio financeiro, envio de produtos e divulgação das ações criadas pelo Instituto. Em 2015, quando atendeu cerca de 300 jovens, o Chefs Especiais foi eleito pela Academia Brasileira de Honrarias ao Mérito, por unanimidade, como “Melhor Projeto de Responsabilidade Social do Ano na Gastronomia”. A Friboi, como patrocinadora do projeto, também foi condecorada com o prêmio Responsabilidade Social por apoiar o Melhor Trabalho do Ano. Conheça mais sobre o projeto aqui.


Ações desenvolvidas na Europa

  • A Moy Park (JBS Europa) está comprometida com o desenvolvimento socioeconômico e ambiental das comunidades rurais das áreas em que atua. A Companhia contribui a iniciativas voltadas a essas comunidades por meio de doações e apoio ao fundo The Prince’s Countryside Fund, que desenvolve mais de 120 projetos no Reino Unido, beneficiando cerca de 100 mil pessoas.
  • As unidades da Moy Park localizadas em Grantham e Anwick, na Inglaterra, participam e apoiam o programa “Alimentando o Futuro Britânico”, criado e gerenciado pela instituição IGD. A iniciativa, voltada à formação de jovens que buscam oportunidades de trabalho na indústria de alimentos do Reino Unido, compreende programas de capacitação profissional e visitas às unidades de produção. A indústria de alimentos é a maior empregadora do Reino Unido, com mais de 3,7 milhões de pessoas, e o programa da IGD desempenha papel fundamental na luta contra o desemprego dos jovens.


Ações desenvolvidas nos Estados Unidos

  • A JBS USA todos os anos apoia diversas campanhas de arrecadação de fundos. Entre elas, o United Way of Weld County, Relay For Life e o Weld Food Bank. Muitas unidades da empresa estão localizadas em áreas rurais e com frequência são as maiores geradoras de oportunidades de emprego. Além disso, também realiza trabalhos voluntários e doações em dinheiro para uma série de instituições, como a 4-H Youth Development and Mentoring Programs e Future Farmers of America teams. Em 2015, por exemplo, a unidade processadora de bovinos de Greeley, Colorado, patrocinou o 100th home for the Greeley Habitat for Humanity com uma doação de US$70 mil. Esses recursos foram destinados para cobrir os custos com materiais de construção e mão de obra. Alguns colaboradores da JBS também participaram, como voluntários, durante a construção das casas.
  • A unidade JBS Pork em Marshalltown, Iowa, faz parte do projeto Can-Do e arrecadou cerca de 1.500 itens de alimentos, como enlatados, macarrão instantâneo e sacos de arroz. As doações foram direcionadas ao banco de alimentos local.

Chefs Especiais

c. Governos GRI G4-SO6

A JBS está comprometida a seguir os mais altos padrões de integridade, ética e transparência ao interagir com autoridades governamentais e agentes públicos. Para nortear a conduta dos colaboradores e consultores terceirizados que se relacionam com o governo no desempenho de suas funções, publicou no Brasil, em 2015, a Política de Relacionamento com Entidades Governamentais e Agentes Públicos. O documento, aplicável às operações instaladas no País, estabelece critérios e regras de conduta no relacionamento das empresas da JBS com entidades governamentais e/ou agentes públicos para reuniões, entrega e recepção de documentos e demais contatos necessários para obtenção de licenças e autorizações, apresentação de pleitos, participação em licitações e discussão de assuntos referentes às operações da JBS que dependam de atuação governamental.

Em todas as jurisdições em que a JBS opera em todo o mundo são oferecidos treinamentos sobre ética e anticorrupção, a fim de assegurar a conformidade com as leis locais.

Anexo GRI
Categoria Ambiental
Aspecto: Materiais
Aspecto: Efluentes e Resíduos
Aspecto: Produtos e Serviços

GRI G4-DMA
GRI G4-EN1: Materiais usados, discriminados por peso ou volume
GRI G4-EN2: Percentual de materiais usados provenientes de reciclagem


GRI G4-DMA
GRI G4-EN23: Peso total de resíduos, discriminado por tipo e método de disposição
GRI G4-EN25: Peso de resíduos transportados, importados, exportados ou tratados considerados perigosos nos termos da convenção da Basileia, anexos I, II, III, VIII, e percentual de resíduos transportados internacionalmente


Resíduos sólidos
A JBS gerencia e identifica oportunidades de reaproveitamento dos resíduos sólidos decorrentes de suas operações, de forma a minimizar os impactos ao meio ambiente, por meio do uso consciente dos recursos naturais, e às comunidades do entorno das operações.

Volume de resíduos gerados (mil toneladas)

JBS GLOBAL
jan a dez 2015
NÃO PERIGOSO 5.031,07 99,1%
PERIGOSO 43,43 0,9%
VOLUME TOTAL 5.074,51
 
1. Aterro Sanitário/ Industrial - Próprio 27,25 0,54%
2. Aterro Sanitário/ Industrial - Terceiro 4.007,97 78,98%
3. Compostagem 729,19 14,37%
4. Incineração 44,15 0,87%
5. Reciclagem 241,02 4,75%
6. Reaproveitamento energético 9,96 0,20%
9. Outros 14,96 0,29%

No Brasil, mais de 80% dos resíduos pós-industriais gerados são destinados para compostagem, reciclagem ou reaproveitamento energético.

As ações de gerenciamento de resíduos sólidos adotadas nas operações brasileiras buscam reduzir o volume de resíduos gerados, reaproveitar os materiais que podem ser reciclados e dar a destinação ambientalmente adequada aos que devem ser descartados. As ações também estão em consonância com as exigências da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que determina a adoção de boas práticas, como contribuir com a logística reversa de embalagens pós-consumo, aumentar o percentual de materiais reciclados e reduzir o volume de resíduos destinados para aterro. Assim, ao longo de 2015 realizou as seguintes ações, entre outras:

  • Participação efetiva em reuniões do Acordo Setorial Nacional, gerido pelo Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre), que conta com a participação de centenas de empresas do setor de bens de consumo.
  • Apoio a cooperativas recicladoras de materiais (como parte do Acordo Setorial), com o objetivo de contribuir para a profissionalização do setor e consequentemente com o aumento de renda dos cooperados. Em 2015, a JBS (Brasil) destinou cerca de R$500 mil em ações relacionadas à PNRS.
  • Parceria com a Prolata Reciclagem, associação sem fins lucrativos formada pela cadeia de valor dos fabricantes de latas de aço no Brasil, cujo intuito é garantir a recuperação do aço e seu reaproveitamento na cadeia de valor.
  • Redução do volume de embalagens dos produtos, por meio de projetos desenvolvidos pelas áreas de pesquisa e desenvolvimento.

Os materiais utilizados para confecção das embalagens no Brasil estão distribuídos da seguinte maneira:

Materiais usados nas embalagens (por peso ou volume-renováveis e não renováveis)
Plástico 15,40% Não renovável
Papel/papelão 83,77% Renovável
Metal 0,69% Não renovável
Isopor 0,13% Não renovável
Celulose / Madeira 0,01% Renovável
 
Embalagem primária e secundária 23,5%
Embalagem terciária 76,5%

A gestão dos resíduos sólidos das operações da Companhia, no Brasil, é feita pela própria equipe de meio ambiente da unidade, ou pela JBS Ambiental, divisão de negócios que atua de forma a gerenciar, reciclar e destinar adequadamente resíduos pós-industriais, garantindo a rastreabilidade do resíduo em todo o processo.

Os plásticos, metais, papéis e materiais perigosos e não recicláveis coletados pela JBS Ambiental tiveram os seguintes volumes gerenciados ao longo de 2015:

VOLUMES GERENCIADOS
MATERIAL (toneladas)
Plástico 5.202
Metal 8.045
Papel 3.713
Perigosos e não recicláveis 675

A JBS Ambiental (www.jbsambiental.com.br) gerenciou, no ano passado, mais de 17 mil toneladas de resíduos sólidos da JBS, volume que representa mais de 1.200 caminhões pesados ou 850 contêineres tamanho padrão repletos de material.

Em suas fábricas, a JBS Ambiental também produziu 3.258 toneladas de resina plástica. Os materiais reciclados, além de gerarem resinas plásticas vendidas como matéria-prima, originaram novos produtos, como sacos de lixo (3,6 milhões de unidades em 2015), sacolas plásticas, lonas e produtos personalizados. Todos os sacos de lixo utilizados nas diversas unidades da JBS no Brasil são resultado do processo de reciclagem desenvolvido pela JBS Ambiental, permitindo o ciclo fechado dos resíduos.

Impacto ambiental positivo com a reciclagem da JBS Ambiental

  • Com o plástico reciclado em 2015, a JBS evitou consumir 15 mil toneladas de petróleo, capazes de abastecer 270 carros populares durante um ano.
  • A operação de produção de resina reciclada consome 70% menos energia do que a produção de resina virgem. Dessa forma, foram economizados 9,3 mil megawatts/hora, energia suficiente para manter uma cidade de 9 mil habitantes por um ano.
  • A quantidade de papelão destinado às recicladoras equivale a 825 milhões de folhas A4 que, juntas, dariam 18 voltas no planeta. Com a reciclagem de papelão, foi evitado o corte de 123 mil árvores e o consumo de 130 milhões de litros de água, que seria suficiente para que 250 pessoas tomassem um banho por dia, durante 18 anos.
  • Com a reciclagem de plástico e papelão, a JBS deixou de emitir 11,4 mil toneladas de CO2 no ambiente.


Gestão de resíduos nas Plataformas América do Norte e Europa
A JBS USA, em parceria com seus fornecedores, vem buscando alternativas para adotar novas tecnologias e técnicas que reduzam impacto ambiental das embalagens utilizadas nos produtos.

Há uma iniciativa em curso voltada a diminuir a espessura de algumas embalagens, o que resulta em um uso menor de resina plástica e, consequentemente, menor geração de resíduos.

Na Moy Park, nenhuma das fábricas envia resíduos para aterros. Em um intervalo de apenas quatro anos, a Moy Park reduziu, de 80% para 0%, a quantidade de resíduos enviados para aterro. Essa é uma conquista notável para a Empresa e demonstra ainda mais seu compromisso com as melhores práticas em sustentabilidade.


Aspecto: Energia
GRI G4-DMA
GRI G4-EN3: Consumo de energia dentro da organização
GRI G4-EN6: Redução do consumo de energia

Para as suas operações, a JBS prioriza a utilização de matriz energética de fontes renováveis. A Companhia continuamente investe na compra de equipamentos mais eficientes e possui metas de redução no consumo de energia em suas operações. Adicionalmente, inclui boas práticas de consumo, como desligar equipamentos em períodos noturnos.

Ao longo de 2015, as operações globais da JBS consumiram 69.514.414 GJ de energia direta, ou seja, energia para geração de energia elétrica, geração de vapor e aquecimento térmico (combustão estacionária), além de operação da frota própria de veículos (combustão móvel). Desse total, 47,7% são geradas por fontes renováveis.

Consumo global de energia por fonte em 2015

RENOVÁVEL NÃO RENOVÁVEL
Total GJ - Energia Direta 2015 33.131.302 47,7%
36.383.112 52,3%
69.514.414

Geração de energia
Reaproveitamento energético de resíduos – A JBS Five Rivers® (JBS USA) desenvolveu um projeto piloto de gaseificador de esterco, tecnologia com o potencial de substituir parte do gás natural utilizado nas caldeiras instaladas nas fábricas de ração.

Biogás – Várias unidades da JBS USA utilizam biogás produzido pelos sistemas de tratamento de águas residuais da própria empresa. A unidade de processamento de suínos em Marshalltown, Iowa, por exemplo, recupera biogás a partir de uma lagoa de tratamento anaeróbio (usada para tratamento de dejetos animais).

Biomassa – A Moy Park (JBS Europa) desenvolveu uma tecnologia de biomassa para ser usada como fonte de energia alternativa para alimentar os sistemas de aquecimento utilizados nas unidades que processam as aves.

Cogeração de energia – No Brasil, a JBS conta com a Biolins. Localizada no Parque Industrial de Lins (São Paulo), gera energia termoelétrica e vapor, por meio de resíduos de biomassa das indústrias sucroalcooleiras e outras atividades, como bagaço de cana-de-açúcar, pó de serra, casca de amendoim e de arroz, e cavaco de eucalipto proveniente de resíduos da região.

Como termoelétrica, tem capacidade de geração de cerca de 28 megawatts de energia por hora, volume suficiente para abastecer uma cidade de 300 mil habitantes. Cerca de 60% dessa energia abastece as plantas de Carnes e Couros do complexo industrial de Lins (São Paulo). O restante é distribuído para unidades da JBS e também vendido para o mercado nacional. A geração de vapor, por sua vez, abastece exclusivamente as fábricas da JBS que são adjacentes à Biolins.

Sozinha, a Biolins gera energia equivalente a 8% da energia total que é utilizada por todas as unidades da JBS no Brasil. Em 2015, recebeu investimentos de R$ 48milhões para expandir em 50% sua capacidade de geração termoelétrica, estrutura que entrará em operação em 2016. Os recursos estão sendo destinados para a instalação de três caldeiras novas e para um conjunto de turbina e gerador mais eficiente.

Compra de energia – Em 2015, cerca de 78,5% de toda a energia direta consumida nas operações da JBS no Brasil vieram de fontes renováveis como hidrelétricas e queima de combustíveis renováveis, como bagaço de cana, madeira de reflorestamento, entre outros. Em relação à combustão estacionária, esse percentual se eleva a 96,6%. Além disso, ainda foram investidos R$37 milhões em retrofits de instalações, com o objetivo de reduzir o consumo de energia, água e vapor.

Em 2015, o volume de resíduos plásticos reciclados pela JBS Ambiental é equivalente a 20% do total utilizado nos processos da Companhia como um todo no Brasil.


Aspecto: Geral
GRI G4-DMA
GRI G4-EN31: Total de investimentos e gastos com proteção ambiental, discriminado por tipo

Foram investidos no total mais de

R$ 716,4 milhões em proteção ambiental

Foram investidos no total mais de

R$188,6
milhões

em melhorias ambientais²

Foram investidos no total mais de

R$527,8
milhões

em gestão ambiental¹

¹ Despesas com pessoal, destinação de resíduos, tratamento de efluentes, análises laboratoriais, taxas e impostos e manutenção em geral (equipamentos, melhorias estruturais).

² Projetos de Tratamento de efluentes, gerenciamento de resíduos sólidos, emissões atmosféricas, projetos de ecoeficiência (redução no consumo de água, reaproveitamento energético de resíduos, recuperação de subprodutos) e outros (recuperação de erosão e áreas degradadas, reflorestamento, melhorias operacionais, entre outros).

Categoria Social: Práticas trabalhistas e trabalho decente Aspecto: Treinamento e educação
GRI G4-DMA
GRI G4-LA11: Percentual de empregados que recebem regularmente análises de desempenho e de desenvolvimento de carreira, discriminado por gênero e categoria funcional

A JBS desenvolveu, em 2015, os seguintes programas de treinamento e educação:

Programa Trainees, adotado nas operações do Brasil e nos Estados Unidos. Com duração de 18 meses, oferece a jovens recém-formados a oportunidade de crescer profissionalmente na Empresa. Nos Estados Unidos, foi lançado em 2015 e contou com 34 participantes. No Brasil, houve mais de 20 mil jovens inscritos.

Programa Talentos Internos, que capacita colaboradores da produção para ocupar cargos de supervisão. Também adotado no Brasil e Estados Unidos, tem duração de seis meses e seleciona colaboradores que atuam na área de produção das unidades para prepará-los para ocupar cargos de supervisão. No Brasil, a média tem sido de 300 inscritos e 20 talentos aprovados por ciclo. Desses, 90% são aprovados, no final do programa, para serem supervisores. Em 2015, foram treinados 67 talentos provenientes da JBS Carnes, JBS Foods e Couros. Já na JBS USA, o programa foi lançado em 2015, e a primeira turma foi formada por 44 participantes das operações dos Estados Unidos e Canadá.

Programa de estágio, realizado pela JBS USA entre os meses de junho e agosto (durante o verão). Em 2015, contou com 147 estagiários, alocados nas unidades de produção ou departamento de negócios corporativos da Pilgrim’s e JBS, nos Estados Unidos e no Canadá.

Capacitação dos Colaboradores
Pela primeira vez, a JBS realizou, em 2015, a Semana do Meio Ambiente no Brasil. Pensada como parte das comemorações ao Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado em 05 de junho, o evento se estendeu por três dias e reuniu mais de 300 colaboradores para diversas palestras sobre os temas estratégicos para a sustentabilidade da JBS. A programação contou com apresentações de especialistas nos temas: gestão de resíduos, uso eficiente de água e energia, mudanças climáticas, garantia de origem e transparência corporativa. Os colaboradores também puderam conhecer as iniciativas da própria JBS em relação a tais assuntos. Conheça a iniciativa aqui.

A JBS Foods (Brasil), por sua vez, realizou a “1ª Convenção JBS Foods - Mercado Interno”, que contou com a presença de mais de 400 pessoas, incluindo diretores, supervisores e gerentes de todas as unidades. O evento teve como objetivos promover a integração, fomentar o conhecimento, definir planos de ações e engajar os participantes. A Companhia também adota outros programas de Recursos Humanos. Entre as diversas ações, estão o “Café com o Colaborador”, que mensalmente é feito para fortalecer o relacionamento entre colaboradores e gerentes, e o “Gente que faz”, em que busca reconhecer as atitudes e compromissos dos colaboradores com a Empresa.

Avaliação de Desempenho Individual
O desempenho dos colaboradores da JBS Brasil é acompanhado por um sistema de avaliação 360°, metodologia que permite diagnosticar e analisar a postura profissional, o relacionamento interpessoal e a aderência das competências do colaborador com os valores da JBS. Essa avaliação é aplicável a 100% dos elegíveis ativos, admitidos até o dia 30 de agosto de cada ano e que ocupem os cargos de especialistas, supervisores, coordenadores, gerentes, diretores e presidentes das unidades de negócios, ou que trabalhem na sede da Companhia, em São Paulo (Brasil) e em Greely, Colorado (EUA). No último ciclo, 5.712 colaboradores participaram dessa avaliação.