7
DESEMPENHO
FINANCEIRO



CENÁRIO

Segundo o relatório da ONU World Economic Situation and Prospects 2016, a economia global cresceu 2,4% em 2015. Os países desenvolvidos passaram a ocupar posição de protagonismo nessa expansão, diferente do que se verificou em anos anteriores, quando os países em desenvolvimento – e a China em especial, com sua grande demanda por commodities - ditaram o ritmo de crescimento.

Os Estados Unidos apresentaram comportamento semelhante à média global, segundo o Bureau of Economic Analysis. O crescimento de 2,4% no PIB em 2015 foi o mesmo verificado no ano anterior, o que reflete manutenção do consumo da economia interna.

Em relação às proteínas, há uma recuperação gradativa no rebanho bovino do país, o que contribui para a redução no preço. Para a carne de frango, 2015 foi um ano mais desafiador devido aos casos de gripe aviária registrados no país, que acarretaram imposição de embargos (totais e parciais) às exportações. Com maior oferta de produtos no mercado interno, houve pressão sobre os preços, impactando as margens. Em relação à carne suína, os abates permaneceram pouco acima da média histórica ao longo do ano, mas no segundo semestre houve crescimento das exportações, principalmente para a China, o que contribuiu positivamente para a indústria.

A economia brasileira, por sua vez, sofreu retração de 3,8% no período, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), maior queda desde 1996. Já a inflação, segundo o Banco Central, deve atingir 10,8%. Alimentos e bebidas deverão ficar acima dessa média, chegando a 12,9%.

No setor de proteínas, houve um incremento de 3% no preço do gado. Em relação às exportações, a carne bovina teve um desempenho mais fraco, registrando queda de 12,1% em relação a 2014. Em receita, as exportações cresceram 13,9% em reais, devido principalmente à desvalorização da moeda frente ao dólar americano. Em relação à carne de frango, a produção atingiu 13,1 milhões de toneladas em 2015, de acordo com a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), consolidando o Brasil como segundo maior produtor mundial. O consumo per capita teve um aumento de 1,1%, e as exportações tiveram expansão em volume e receita, variando 6,6% e 28,0%, respectivamente. Já os produtos congelados e preparados vêm ganhando mais espaço entre os alimentos consumidos pelos brasileiros. Segundo matéria da Agência O Globo, o consumidor tem optado por itens mais baratos e priorizado a alimentação em suas casas, em vez de fora do lar. Esses novos hábitos desencadeiam uma maior procura por alimentos pré-preparados e congelados.



RECEITA LÍQUIDA

Em 2015, a receita líquida consolidada da JBS atingiu R$162.914,5 milhões, um aumento de R$42.444,8 milhões ou 35,2% superior a 2014.



Aproximadamente 70% das vendas globais da JBS foram realizadas nos mercados domésticos em que a companhia atua e 30% por meio de exportações.



Receita Líquida por unidade de negócio (participação %)
JBS USA Carne Bovina 45,5%
JBS USA Carne Suína 7,2%
JBS USA Frango 16,8%
JBS Mercosul 17,7%
JBS Foods 11,5%
JBS Europa* 1,4%
*Considera apenas o 4T15


LUCRO

Em 2015, a Companhia registrou um lucro líquido de R$4.640,1 milhões, equivalente a um lucro por ação (EPS) de R$1,60



LUCRO LÍQUIDO CONSOLIDADO


Lucro Bruto consolidado

Já o lucro bruto no período foi de R$22,6 bilhões, 21,0% superior ao verificado em 2014. A margem bruta, por sua vez, teve uma queda de 1,6 p.p.



LUCRO BRUTO CONSOLIDADO (R$ BILHÕES)


EBITDA

O EBITDA ajustado foi de R$13,3 bilhões, crescimento de 19,9% sobre 2014. A margem EBITDA, por sua vez, foi de 8,2%.



R$ milhões 2015 2014 Var. %
Lucro líquido do exercício (incluindo participação dos minoritários) 5.128,60 2.406,40 113,10%
Resultado financeiro líquido 1.300,60 3.637,60 - 64,2%
Imposto de renda e contribuição social – corrente e diferidos 2.750,00 1.785,40 54,00%
Depreciação e amortização 3.692,80 2.546,80 45,00%
Resultado de equivalência patrimonial -58,9 -26,1 125,80%
Reestruturação, reorganização, doações e indenização 487,2 745,5 -34,60%
Prêmio por liquidação antecipada pago pela JBS USA 0 -5,6 -
(=) EBITDA Ajustado 13.300,40 11.090,00 19,90%


EBITDA POR UNIDADE DE NEGÓCIO (EM PARTICIPAÇÃO %)



GERAÇÃO DE CAIXA

A Companhia gerou R$3.578,3 milhões em caixa proveniente das atividades operacionais no 4T15 e R$21.206,4 milhões em 2015. A geração de caixa livre antes da aquisição da Cargill Pork no 4T15 foi de R$2,6 bilhões e em 2015, a geração de caixa livre antes das aquisições da Tyson de México, Grupo Primo, Moy Park e Cargill Pork foi de R$17,0 bilhões, 169,3% superior ao ano de 2014.



GERAÇÃO DE CAIXA OPERACIONAL (R$ MILHÕES)


GERAÇÃO DE CAIXA LIVRE EX–AQUISIÇÕES (R$ MILHÕES)


ENDIVIDAMENTO

A JBS encerrou o ano com uma dívida líquida de R$47.038,7 milhões e uma alavancagem de 3,18x. Incluindo o resultado proforma das aquisições recentes, a alavancagem foi de 2,91x. Em dólares, a dívida oscilou de US$9.475,5 milhões para US$12.046,4 milhões.



R$ milhões 2015 2014 Var. %
Dívida bruta 40.079,10 65.882,70 64,4
(+) Curto prazo 13.687,00 20.906,60 52,7
(+) Longo prazo 26.392,20 44.976,10 70,4
(-) Disponibilidades 14.910,40 18.844,00 26,4
Dívida líquida 25.168,70 47.038,70 86,9
Dívida líquida/EBITDA 2,1x 3,18x


DÍVIDA LÍQUIDA (R$ MILHÕES) E ALAVANCAGEM


DÍVIDA LÍQUIDA EM US$ (MILHÕES)


Perfil da Dívida

No encerramento do ano, 68% do endividamento da JBS possuía perfil de longo prazo. Os outros 32% eram de curto prazo, condição que pouco se alterou quando comparada com o ano de 2014.



Perfil da dívida CP/LP

Curto prazo Longo prazo
2014 34% 66%
2015 32% 68%


Em relação à composição da dívida, 91% estão denominados em dólares americanos, com custo médio de 5,24% ao ano. Os 9% da dívida em reais, por sua vez, possuem custo médio de 13,99% ano. Os bancos comerciais são a principal fonte de recursos para a Companhia (56,3%).



ABERTURA POR MOEDA E CUSTO



ABERTURA POR FONTE



ABERTURA POR EMPRESA



Demonstração do Valor Adicionado (DVA) (R$ milhares)
Pessoal
Remuneração direta 13.997.920
Benefícios 2.487.582
FGTS 234.230
TOTAL 16.719.732
 
Impostos, taxas e contribuições
Federais 3.712.101
Estaduais 2.601.278
Municipais 25.117
TOTAL 6.338.496
 
Remuneração de capitais de terceiros
Juros e variações cambiais 21.001.386
Aluguéis 587.156
Outras 695.325
TOTAL 22.283.867
 
Remuneração de capitais próprios
Lucro líquido atribuído aos acionistas controladores 4.640.114
Participação de não controladores nos lucros retidos 488.533
TOTAL 5.128.647
 
TOTAL 50.470.742


MERCADO DE CAPITAIS

As ações da JBS S/A, negociadas na BM&FBovespa sob o código JBSS3, encerraram o ano de 2015 cotadas a R$12,34, o que representa valorização de 10,3% quando comparada ao valor alcançado no final de 2014.

As ações da empresa também se destacaram quando comparadas à trajetória do Índice Bovespa (Ibovespa), que apresentou retração de 13,3% no ano passado.

O valor de mercado da Companhia, por sua vez, totalizou R$35,3 bilhões, montante que a situa entre as 15 empresas de maior valor de mercado do Ibovespa, índice no qual seus papéis figuram.


Atendimento a Acionistas e Investidores

A JBS dispõe de uma área específica para atendimento a seus acionistas e investidores. A área pode ser contatada pelo e-mail ri@jbs.com.br ou pelo telefone +55 (11) 3144-4224. As informações divulgadas ao mercado, por sua vez, estão disponíveis no website www.jbs.com.br/ri.



GRÁFICO DE DESESEMPENHO DA AÇÃO JBS E IBOVESPA 2015